Crônica: Expectativas


 Nem sempre as coisas acontecem como gostaríamos. Na realidade tudo se move conforme as nossas expectativas.

  Colecionamos uma porção de planos. Dedicamos tempo arquitetando todas as coisas que devemos fazer. Para onde ir. Como conquistar.  Ficamos abarrotados e lotados por tantas ideias. Colocamos metas. Estipulamos prazos. E quando damos por si estamos ansiosos, aflitos e temerosos. Reclamos da pressão externa, quando na realidade sofremos pelas nossas próprias cobranças.

  Posso dizer por experiência própria que sei exatamente como é duro pegar pesado consigo mesmo. São tantas cobranças internas que acabamos tomados por ansiedade. São tantas expectativas que ficamos intolerantes a frustração. São tantos planos traçados que ficamos impacientes com imprevistos. São tantas e tantas coisas para fazer que o tempo continua escasso.

  Depois de vivenciar essas coisas, aprendi que o tempo é a melhor resposta. É preciso saber fazer pausas. Fazer intervalos e até mesmo saber recuar a fim de poder avançar mais inteiro. Neste meio tempo em que estivermos com menos demandas, poderemos investir mais na gente mesmo. Passar a nos conhecer melhor. Investir em autoconhecimento. Saber reorganizar a rotina com menos afobação e com mais sabedoria.
Saber responder algumas perguntas pode ser essencial para saber se estamos indo na direção certa. Para que estamos fazendo isso? O que eu desejo com essas ações? Será que não estou pegando pesado demais? Invista no diálogo interior. Se questionar vai fazer que você irá construindo um caminho mais forte já que você saberá aonde, de que forma e como chegar.

  Mas não se esqueça da importância dos intervalos. De dar tempo ao tempo e cuidar com as expectativas.

Pausas e Recomeços



Pessoas vão e vem. Encontros e desencontros. Idas e vindas. Pausas e recomeços.

  Ficamos por vezes envaidecidos com a.presença das pessoas  em nossas vidas. Achamos que ficarão ali por um bom tempo ou quem sabe a vida inteira a vida toda. Confundimos amizade com posse. Amar com querer o outro o si. Ajudar com viver para o outro. Complicado se relacionarem sabendo que o outro pode partir a qualquer momento. Seja de forma física. Por mudanças territoriais. Ou simplesmente porque as pessoas partem para outras coisas. O que devemos aprender com essas partidas? Que não somos, estamos.

  Deveríamos nos sentir gratos pela presença do outro.  Agradecidos pelo tempo despendido. Até mesmo abençoados pelas lições aprendidas. Deveríamos entender que amar não tem nada haver com posse. E sim, com compartilhar seja momentos, emoções e aprendizados. Querer o outro só para si pode acabar afastando ele. É preciso saber dividir e até mesmo saber quando ou não estamos invadindo o espaço do outro. Ser empático com o outro não querendo ser como ele ou sentir como ele, mas sentir com ele e existir ao lado dele. Poder dar o melhor de si pelo tempo que tiver com a pessoa. Para que quando chegar a hora de partir seja da forma mais leve e gentil possível.

   Chegadas e partidas farão parte. Encontros e desencontros também. A vida é como um aeroporto. Uns partem. Outros chegam. Alguns decolam. Outros passam por turbulências. Alguns pousam por um tempo. É preciso aproveitar as visitas. Saber ser grato pelas passagens. Curtir cada momento. Sem tentar se preocupar se é efêmero ou duradouro.

   Difícil são as despedidas. Complicado perder quem se gosta. Mas se soubermos não enxergar como perdas, sim como ganhos. Afinal cada um que passa em nossa existência deixa algo. Acrescenta algo. Nós também deixamos algo. É preciso saber somar. Deixar algo de bom em cada um que passa por nós é um dom. Maior sabedoria ainda é poder praticar a gratidão por cada um que passa pela gente é uma das formas mais saudáveis de lidar com as partidas.

  Deixe ir assim como você deseja que fique. Cada um que passa deixa um legado. Um aprendizado.

Dicas para Saúde Mental


Saúde mental está em vários aspectos do cotidiano. Podemos não perceber porque muitas vezes deixamos a nossa saúde mental de lado. Vivemos no automático. Temos pressa e quase nenhum tempo. Com isso, vivemos atarefados. Por vezes atrapalhados. Atucanados. Ansiosos. Acabamos por esquecer ou deixar de lado a saúde mental. Por isso aqui vão algumas dicas.

  1. Preste atenção nas coisas simples
Levamos muitas vezes uma vida ocupada demais. Passamos despercebidos pelas coisas simples da vida. Apreciar o pôr do sol, respirar calmamente, apreciar uma boa refeição ou simplesmente poder parar por algum tempo durante o dia.

2.            Pratique alguma atividade física.
Praticar atividades físicas  liberam substâncias em nosso organismo que são responsáveis pelo bem- estar. Praticar alguma atividade física pelo menos duas vezes por semana, traz enormes benefícios além de proporcionar sensações de bem-estar e prazer.

3.            Invista no seu tempo livre.
Levar uma vida ocupada demais, faz que gente perca o nosso tempo livre. Ele é extremamente importante para recarregar as energias, investir em nossos hobbies ou simplesmente ter um tempo para fazer.

4.            Encontre sentido no que está fazendo.
Muitas vezes estamos submersos em atividades que nem sabemos o real sentido do que estamos fazemos. Estamos tão ocupados que nem sabemos se o que estamos fazendo faz sentido ou não. Procure se questionar se o que está realizando  tem algum sentido para você. Se aquilo que está dedicando tempo e atenção trará algum tipo de satisfação,não só material, mas também emocional

5.            Esteja atento ao que se passa com você
Guardar todas as  emoções pode ser perigoso.  Se der vontade de chorar, chore. Cuide para não acumular tudo o que sente dentro de si. Se precisar pôr para fora, encontre uma maneira. Amigos, família e até mesmo a psicoterapia
.
6.            Invista em autoconhecimento
Autoconhecimento é uma importante ferramenta não só para se conhecer melhor,mas também para lidar de uma forma mais saudável com o mundo. A psicoterapia será uma importante aliada para aumentar as estratégias de repertório de comportamentos, pensamentos e sentimentos. Em um lugar seguro, livre de preconceitos, julgamentos capaz de lhe auxiliar  de forma integral.

7.            Caderno de culpas e mágoas
Muitas vezes carregamos com a gente mesmo uma lista infinita de mágoas e culpas. Pesos, ressentimentos que apenas acumulam um espaço gigante dentro da gente mesmo. Comece a parar com as culpas e mágoas, invista em forma de tentar reciclar ou até mesmo ressignificar estes sentimentos em algo saudável.

8.            Recomece sempre que precisar.
Sem importar o que deu errado, se precisar recomeçar, recomece.  Recomeçar não é sinal de fracasso. Fracassar é não ter a coragem de começar quantas  vezes for preciso.